Uma cena corriqueira é o pet lamber seu tutor como forma de carinho. Mais comum ainda é o tutor sentir aquele odor desagradável. Esse mau hálito, ou halitose, provavelmente pode ser causado pelo tártaro em pets.

O tártaro pode provocar muitas doenças, além de causar fortes dores, incômodos ao mastigar e dificuldade para se alimentar; Em seus casos graves causar a morte do pet.

O tártaro

O tártaro em pet, que é o acúmulo de cálculos no espaço entre a gengiva e os dentes é um dos principais problemas periodontais atendidos pelas clínicas veterinárias.

Em geral, quando o tutor leva seu pet à clínica é porque a doença já está em estágio crítico e o cão ou gato estão com muitas dores e sangramento.

A infecção bucal geralmente ocorre da falta de higiene e alimentação inadequada, causando acúmulo de tártaro, que é aquela placa bacteriana que vai tomando conta dos dentes quando não há cuidados adequados.

O tártaro provoca a perda óssea dos dentes e retração gengiva. Por exemplo, ela pode se espalhar pelo organismo e acometer outros órgãos dos animais. As bactérias podem cair na corrente sanguínea afetando outras partes do corpo.

Em 2019, a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP), divulgou uma pesquisa que aponta que a alimentação correta é um fator que pode reduzir em até 55% o acúmulo de tártaro nos dentes.

O estudo trouxe um dado que as clínicas conhecem bem. O relatório constatou que 60% dos animais domésticos analisados, em sua maioria cães e gatos apresentam problemas periodontais.

Os primeiros sinais

Os primeiros sintomas são dentes amarelados, mau hálito, sangramento das gengivas. Com o passar do tempo, os dentes ficam marrons e as gengivas bastante avermelhadas.

Esse é o sinal que a inflamação está em estágio bem avançado e causando dor de dente. Nessa fase os pets podem reduzir a alimentação, devido à dificuldade em mastigar os alimentos.

A evolução é a perda dos dentes, perda óssea, entre tantos outros problemas de saúde que tártaro em pets pode causar.

Leia também: A má alimentação é uma das causas de doenças

Como prevenir e tratar o tártaro em pets?

Assim como em humanos, a primeira forma de prevenção é a escovação periódica, se possível, diária ou a cada dois dias.

A outra forma é a alimentação. Erroneamente, muitas pessoas alegam que a alimentação natural pode causar o problema. No entanto, as diferentes texturas dos alimentos naturais causam o atrito necessário com os dentes, evitando que resíduos fiquem presos aos dentes e gengivas.

Além disso, a alimentação natural não contém conservantes, aditivos e outros produtos artificiais, e fornece nutrientes essenciais para a boa saúde geral de cães e gatos.

Essa alimentação balanceada, com prescrição de veterinários nutrólogos oferece as vitaminas, minerais e nutrientes, prevenindo alergias, dermatites e tantas outras doenças.

Comece hoje a prevenir o tártaro em pets e a oferecer a dieta adequada do seu cão ou gato clicando aqui 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu