Já estamos na segunda década do século 21 e ainda tem gente que promove maus-tratos e crueldade contra os animais. Esse é o alerta do Abril Laranja, com campanhas em todo o Brasil.

Há muito tempo que os pets ocupam um lugar de destaque nas famílias do mundo todo. Muitos tutores chamam até de filhos de quatro patas e tratam com todo carinho e cuidados.

O Brasil está em quarto lugar no ranking dos países com maior população de pets e, a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet), aponta que, quase 110 milhões de lares brasileiros,  abrigam pela menos um mascote.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE ), 46,1% dos domicílios do Brasil tem pelo menos um cachorro, o equivalente a 33,8 milhões de unidades domiciliares. Já os gatos estavam presentes em 19,3% dos domicílios.

As denúncias crescem a cada dia

Os números são expressivos, o mercado de produtos pet é enorme e vem driblando crises e a pandemia, apontando altos índices de crescimento. Por todo o Brasil,  as clínicas veterinárias estão cada vez mais especializadas, os estúdios de beleza, banho e tosa proliferam e oferecem serviços diferenciados e de qualidade.

Entretanto, a realidade para muitos animais não é colorida assim, sofrendo maus-tratos como agressões violentas, além de faltar alimentação adequada, faltar cuidados mínimos de higiene e de saúde, entre outros.

As instituições de defesa e proteção animal registraram aumento de denúncias e de resgates desde que começou a pandemia da Covid-19.

No estado de São Paulo, somente no primeiro semestre de 2020 foram 12.581 queixas registradas na Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (DEPA), um aumento de 82% em relação ao mesmo período de 2019. As polícias Civil e Militar analisam essas denúncias simultaneamente.

Esses casos de maus tratos, quando comprovados, são enquadrados na Lei 14.064/2020, que prevê punição para quem comete crimes contra os animais domésticos ou silvestres.

Os maus-tratos

Falar em violência contra animais, pode ter diferentes significados para as pessoas. Assim, muitas cidades passaram a detalhar as ações que são consideradas criminosas contra os animais.

O abandono nas ruas ou em locais fechados sem assistência, por exemplo, como acontece quando o tutor muda de residência e abandona o cachorro ou gato, presos no imóvel casa, sem cuidados básicos, como alimentação e água.

Também é considerado maus-tratos obrigar o pet a trabalhos excessivos, inclusive em competições que possam causar pânico, estresse ou esforço acentuado, como corridas ou lutas de animais.

Golpear, mutilar ou ferir voluntariamente qualquer órgão do pet, nem precisa dizer que é condenável. Não confundir com os procedimentos cirúrgicos e veterinários, como a castração.

A importância da alimentação saudável também é um item sempre falado por veterinários, associações e autoridades, quando se trata de maus-tratos. Alguns pessoas querem ter muitos animais em casa e não tem condições físicas ou financeiras de mantê-los.

Isso causa desnutrição grave, deficiência no crescimento dos pets, aparecimento de doenças e mortes prematuras.

Onde denunciar

As denúncias de maus-tratos podem ser feitas pelo número 181- Disque Denuncia; número 190 – Polícia Militar; nas Delegacias de Polícia, na Federação Brasileira de Animais, Ministério Público e nas secretarias municipais de Meio Ambiente ou equivalentes em cada município.

No estado de São Paulo, devem ser feitas on-line na Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (DEPA). O Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo, oferece um GUIA PRÁTICO PARA AVALIAÇÃO INICIAL DE MAUS TRATOS A CÃES E GATOS, para que os profissionais identifiquem sinais de maus tratos.

O desenvolvimento saudável de cães, gatos e outros pets passa, necessariamente, pelos cuidados essenciais e pelo carinho de seus tutores. Desta forma, ambos poderão desfrutar por muitos anos de uma saudável companhia.

Comece hoje a oferecer a dieta adequada do seu cão clicando aqui 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu